Modelos de governança do Tableau

Quando reconhecemos que cada organização e cada caso de uso são diferentes, tornam-se necessários vários graus de governança. Os modelos de governança de dados e conteúdo podem ser adaptados e aplicados a qualquer tipo de dados, independentemente do enquadramento deles no espectro da governança. Estabelecer três modelos básicos de governança, centralizado, delegado e de autogovernança, oferece a flexibilidade necessária para satisfazer as necessidades de governança da maioria das organizações.

Como outras atividades de gerenciamento da plataforma do Tableau, é necessária uma abordagem ágil e iterativa para se adaptar aos novos requisitos de negócios à medida que a adoção e o engajamento do usuário aumentam em toda a organização. Os processos mudarão com o tempo, à medida que as habilidades se desenvolvem e as responsabilidades são delegadas de forma mais ampla, para além da área de TI. Estabeleça pontos de revisão de governança duas vezes por ano para que os modelos possam continuar evoluindo.

A guia Governança de dados e conteúdo no Planificador do Tableau Blueprint ajudará a definir os modelos de governança da sua organização com base nas informações coletadas na Pesquisa de arquitetura corporativa do Tableau e na Pesquisa de dados e análise do Tableau. Você deve estabelecer e documentar quem é responsável e quais processos oferecem suporte a cada uma das áreas de cada modelo, seja ele centralizado, delegado ou de autogovernança.

Usando a abordagem matricial para separar a governança e a segmentação de dados e conteúdo pelos três modelos, é fácil usar os modelos alternadamente de acordo com a necessidade. Por exemplo, inicialmente, a governança de dados e conteúdo pode ser centralizada. Depois que os usuários forem treinados, no entanto, as áreas de governança de dados podem continuar sendo centralizadas, mas a governança de conteúdo pode ser delegada ou autogovernada porque os dados são selecionados. Da mesma forma, determinadas áreas da governança de dados e conteúdo podem ser personalizadas, como gerenciamento delegado de metadados e segurança e permissões centralizadas, de modo a atender aos seus requisitos específicos. Com o passar do tempo, à medida que os usuários corporativos desenvolvem mais habilidades analíticas, mais responsabilidades podem ser delegadas. Uma vez definidos, você deve comunicar os modelos de governança à comunidade de usuários, publicando-os na intranet de capacitação. Para mais informações, consulte Intranet de capacitação no Tableau.

Modelo centralizado

Em um modelo centralizado, a TI ou outra autoridade tem acesso aos dados e produz fontes e painéis de dados para consumo corporativo no molde “um-para-muitos”, ou seja, um pequeno número de Creators, enquanto todos os demais são Viewers. A governança centralizada é necessária para manter o controle sobre dados altamente confidenciais.

Outro caso em que o gerenciamento centralizado se faz necessário é quando há lacunas no nível de habilidades do público-alvo. Mesmo assim, você pode continuar fornecendo aos usuários corporativos conteúdo preparado para que eles possam tomar decisões orientadas por dados enquanto desenvolvem suas habilidades analíticas.

Se você está migrando de uma abordagem analítica tradicional de cima para baixo conduzida pela TI ou prefere uma delegação de responsabilidades em fases ao autoatendimento governado, pode ser vantajoso para a TI ou para uma equipe centralizada de BI criar os casos de uso iniciais entre os departamentos, incluindo fontes de dados e painéis certificados.

Com o tempo, à medida que os usuários forem incentivados a fazer suas próprias perguntas e obter respostas sozinhos, o domínio do conteúdo confiável disponível crescerá organicamente entre equipes e departamentos, e os usuários terão acesso a uma maior variedade de conteúdo analítico para autoatendimento. Para evitar o risco de recriar um modelo de “fábrica de relatórios”, estabeleça metas e datas para evoluir além do modelo de governança centralizada e iniciar a delegação de responsabilidades.

Modelo delegado

Em um modelo de governança delegada, novas funções são introduzidas fora da TI ou de uma autoridade central. São identificados Administradores de site e Administradores de dados, que podem ter acesso direto às fontes de dados. Os autores de conteúdo têm acesso a Fontes de dados publicadas certificadas para fazer suas próprias perguntas comerciais e obter respostas sozinhos, enquanto alguns consumidores de conteúdo recebem recursos de criação na web para salvar conteúdo derivado em projetos de sandbox. Processos para validar, promover e certificar conteúdo são introduzidos, embora ainda sejam limitados. A colaboração entre a TI e os usuários corporativos aumenta, à medida que a TI passa de um provedor de relatórios para um facilitador de análises.

Modelo de autogovernança

Em um modelo de autogovernança, a colaboração entre a TI e os usuários corporativos é extensiva. Conteúdo certificado e fontes de dados estão disponíveis, e conteúdo ad hoc é criado regularmente por Creators e Explorers. Viewers entendem as diferenças entre estados de conteúdo certificado, ad hoc e de sandbox. O processo de validação, promoção e certificação é bem definido e compreendido plenamente por usuários de todos os níveis. Com o desenvolvimento das habilidades analíticas em toda a organização, já não há limites rígidos entre as funções no fluxo de trabalho da análise moderna, uma vez que os usuários deixam de apenas consumir conteúdo para criar e promover conteúdo com o nível apropriado de permissões.

 

Agradecemos seu feedback!